CRENÇA – Aprendendo a ser feliz

CRENÇA

Aprendendo a ser feliz.

Muitos me perguntam se tenho alguma crença. Sim, tenho, mas não sou adepto da fé cristã, na qual fui educado.

O catolicismo foi imposto aos brasileiros do início da colonização, 1532, à proclamação da República, 1889. Todos eram obrigados à fé católica[i] e os fiéis tinham que freqüentar as igrejas sob pena de prisão e multas pecuniárias.

Veja este texto de Dimas Perrin, citado em Mãe África:

“Durante o jugo português, em Minas, a polícia estava em todas. Servia até para punir aqueles que não cumprissem bem os seus deveres religiosos, como se depreende do seguinte edital, publicado já no fim do século XVIII, pela Câmara de São José[ii]: Fazemos saber a todos os moradores desta Villa que no dia quinta feira que se ade contar 3 deste corrente mez se ade festejar ou fazer função de Corpo de Deos como sempre he costume com procissão pellas ruas e para milhor ornato da mesma terão todas as ruas aseadas com as suas portas e janelas ornadas com aquelle aseo e adorno que lhes são permitidos com a pena de que aquelle que assim não o fizer será prezo oito dias na cadeia e pagará duas oitavas de ouro de condenação para as despezas do Conselho, etc. Passado em 1 de junho de 1799”

-Por que esta obrigatoriedade, nas colônias portuguesas e espanholas?

Artigo Completo

7 ideias sobre “CRENÇA – Aprendendo a ser feliz

  1. Oi pai! Li e gostei! Uma observação para aprofundarmos no agradecimento. Dentro dos ensinamentos da doutrina Messiânica agradecemos todas as situações, inclusive as “negativas”. Aprendemos que tudo tem um propósito Divino, e que aquela pessoa que julgamos nos fazer algum mal e´um instrumento para o nosso crescimento mesmo que não tenhamos capacidade para compreeder qual cresimento. Quando praticamos a gratidão em situações difícies – que julgamos dentro dos parâmetros humanos como negativas – nós nos conectamos com Deus e conectamos as pessoas envolvidas também. O grande desafio e´agradecer 100% ! Nós ainda estamos muito presos às ilusões: julgamos as situações como boas ou ruins! É preciso romper esta barreira….e cultivar o agradecimento em qualquer situação. Por exemplo : aparentemente a gota foi algo “ruim”. Mas foi o processo que te despertou. Então bom ou ruim são dois polos que transitam e um está no outro. Como yin e yang…Outro ponto importante que tenho aprendido na Messiânica – sobre o desapego: e´preciso respeitar a matéria. Vamos pensar que há dois extremos – o materialismo de um lado, e o desrespeito à matéria de outro. Muitas pessoas confundem desapego com negligência…..estamos no mundo material e ele precisa ser cuidado, respeitado. Uma coisa e´cuidar, zelar, amar. Outra e´apegar. Apego está ligado a egoísmo. Por exemplo : há o amor com apego e há o amor com desapego. Eu acho que o desapego e´muito mal interpretado. A matéria e´tudo o que temos: nosso corpo, nosso bens, nosso alimento. Precisamos aprender a respeitar as riquezas que desfrutamos! Enfim precisamos aprender muito! Um grande abraço!
    Thaís

    • Dr Anselmo, amigo Anselmo!
      Não sou de ter inveja! Mas, confesso, fiquei com inveja ao constatar o seu conhecimento filosófico ao analisar a ascensão e queda do KADAFI. Jamais poderia imaginar aquele embasamento filosófico, buscando tão longe um entendimento para um problema tão moderno. Parabens! Admiro aqueles que cultuam o saber. Fiquei vivamente impressionado com suas observações.
      Obrigado por ter lido este artigo e obrigado pelo elogio!
      Fidencio Maciel

  2. Querido Fidêncio

    Alegria, pura alegria, encontrar vc.
    Texto limpo, que nos induz a ler e gostar.
    Participo de suas idéias, não gosto de sofrimento – embora algumas vezes fale dele, como forma de incentivo a outros que sei estarem em dor e não a querem botar fora…
    Dor a gente cria, é isso mesmo. Doença tb., não quero nada disto p mim, nem para os que amo. Assim, a tal culpa da “madre igreja” em que fomos criados, em mim não fez morada, fazer como se desde criança cogitava tudo: “Não cobiçar a mulher do próximo” aff. o genérico do ser humano não é homem? Possível isso? Jamais. Assim cresci e fugi daqueles dogmas assustadores. Gosto do que fala, com precisão, cadenciado e histórico…
    Bjus e Luz!

    • Madelena Bahia! Lena!
      Muito obrigado pela visita ao site! Fiquei muito contente! E impressionado com suas revelações dizendo que se encontra liberta da culpa judaico-cristã, segundo a todos nascemos do “pecado” e todos somos pecadores! No século XXI, isto é um horror! Na IDADE MÉDIA, vá lá!
      Espero que leia “Recomendações de Viagem” porque retrata significativamente um pouco da minha história! Um beijo! Fidencio Maciel

  3. Olá Fidêncio, tudo bem?
    Li este artigo e sinceramente não concordo sobre seus conhecimentos do Cristianismo.
    Pela História (que já está no passado) infelizmente a igreja Católica cometeu erros sim.
    Mas HOJE, tudo está renovado e a doutrina é maravilhosa, sinto a força da Santíssima Trindade e a força da Eucaristia. É pena você só sentir essa força com a filosofia Budista…
    Sou catequista e hoje trabalhamos com uma CATEQUESE RENOVADA (fomos preparadas durante meses) perante os valores que Nosso Senhor Jesus Cristo nos ensinou…

    Amo ser Católica Apostólica Romana!
    Que o Divino Espírito Santo lhe proteja amigo!
    Amém.

  4. Gostei muito do artigo , agora sei o significado do budismo e principalmente o que diferencia das outras religiões. Ele é muito mais leve e tem um astral positivo . Abraço!! george dinardo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *