O Ouro, o Negro e a Mineiridade.

Minas Gerais foi “descoberto” por volta de 1700: Sabará, em 1688, por Borba Gato, egresso da Bandeira das Esmeraldas; Ouro Preto, em 1696, por Antonio Dias; Pitangui, em 1694, por Antonio Rodrigues Velho, o Velho da Taipa.

Antonio Rodrigues Velho, irmão de Domingos Jorge Velho que destruiu o quilombo de Palmares; casado com Margarida, neta de Fernão Dias e avô de Inácio de Oliveira Campos, marido de Dona Joaquina do Pompeu[1]; dele descendem grandes mineiros: Martinho Campos, Olegário Maciel, Milton Campos, Benedito Valadares, Gustavo Capanema, Francisco Campos, Afonso Arinos e outros.

ARTIGO COMPLETO

3 ideias sobre “O Ouro, o Negro e a Mineiridade.

  1. Muito interessante e esclarecedor.
    Num pais que talvez a maioria nao sabe quem foi tiradentes e não se interessa ,é salutar aprender um pouco mais da nossa historia.
    Parabens Fidencio

  2. Savador Mafra!
    Viva a ESCOLA DE MINAS! Estudei na ESCOLA por causa da sua história! E a gente faz parte dela. Assim, tento adicionar um tijolinho ao edifício de nossa instituição. Faço o pouco que posso.
    Que bom receber sua visita ao site!
    Obrigado! Fidencio Maciel

  3. Sou diplomado pela EM em 1958. Ainda estou na ativa. Meu pai era filho de italiano, casado com outra italiana descendente de árabe..Minha mãe nasceu em Ouro Preto em 1904, na rua Bernardo de Vasconcelos ( a casa ainda está lá). Seu avô era português que chegou em Ouro Preto em 1922 e casou-se com Miquelina Dolabela, natural de Santa Luzia do Rio das. Velhas. Meu bisavô foi para Ouro Preto em busca do ouro,creio eu.Seus descendentes estão espalhados por esse mundão das gerais. Paione

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *